MENU
A ESCOLA      CARNAVAL 2016      NOTÍCIAS      HISTÓRIA      ARTIGOS      VIDEOS      FOTOS      CONTATO
       

Um Tantinho que faz a diferença

Poucas pessoas podem se orgulhar de conhecer tão bem o Morro de Mangueira quanto Devanir Ferreira, o Tantinho. Negro baixo, forte, de voz imponente e bom humor contagiante, ele é considerado por muitos, aos 59 anos, a memória viva do morro. Mascote da geração de ouro da escola de Cartola, Nelson Cavaquinho e Padeirinho, Tantinho é cria da Mangueira, onde já saiu na bateria, ganhou samba-enredo, puxou samba na quadra e atuou até como um tesoureiro informal, guardando dinheiro dos ensaios embaixo do colchão. Grande versador das rodas de partido alto, ele ganha, hoje, no Centro Cultural Carioca, um show dedicado à sua vivência no mundo do samba.

Em “Um Tantinho de samba”, ele conta suas primeiras lembranças do morro, seu convívio com os mestres e, principalmente, as transformações sofridas pela escola e pela comunidade ao longo dos anos. O roteiro de Lefê Almeida começa com um samba pouco lembrado e profético de Zé Kéti, de 1964, “Favelado” (“Cuidado, o morro tem sede/ O morro tem fome/ O morro sou eu, o favelado”) e termina com a atual “O dia em que o morro descer e não for carnaval”, de Wilson das Neves e Paulo César Pinheiro.
— Certo dia eu reencontrei o Tantinho, com quem cruzei muito nos anos 60, e conversamos sobre música, sobre Mangueira. Saí dali com essa idéia na cabeça — conta Almeida, um dos grandes responsáveis pela reestruturação da Lapa boêmia. — Cheguei a conclusão de que essa história tinha que ser cantada e contada por alguém que tivesse vivido as transformações do morro.

Tantinho é mesmo testemunha de uma outra realidade em Mangueira. Nascido pelas mãos de uma parteira no próprio morro, filho de família pobre, desde cedo circulava pelas vielas do morro e almoçava de favor na casa de Alfredo Português, pai de criação de Nelson Sargento, e de Dona Neuma, de quem era um dos protegidos. Aos 6 anos, a mãe, baiana da escola, sem ter onde deixá-lo, arrumou uma maneira de incluí-lo na bateria da escola.
— Ela falou com o Tinguinha, presidente da bateria, que não tinha com quem me deixar. Ele mesmo construiu um tamborim para mim — lembra Tantinho.

Tornou-se figura popular no morro mas gostava mesmo era de cantar. Para conseguir seu espaço, começou a compor sambas aos 11 anos. Agradou em cheio e ganhou o respeito dos notáveis da escola. Passou a ajudar Jamelão a puxar sambas na quadra e, desde então, e até os anos 90, era o único em quem Jamelão confiava.

Pelas mãos de Cartola, de quem havia defendido o samba “Tempos idos” na quadra em 1962, chegou às noitadas de samba do Teatro Opinião, onde se apresentavam Clementina de Jesus, Xangô e outros. Acompanhou Paulinho da Viola e Zé Kéti como instrumentista, integrou o Originais do Samba, grupo que fez muito sucesso nos anos 70, mas a situação do sambista e da própria escola, a partir do fim desta década, fez com que ele deixasse o samba em segundo plano.
— A partir desta época, malandro começou a invadir as favelas. Gente de outras comunidades. Chegaram uns caras lá e me estranharam. Ameaçaram-me com uma arma. Logo eu, que sempre falei o que queria na Mangueira. Então eu fui embora e botei na cabeça que precisava trabalhar em outras coisas para poder comprar uma casa para a minha família.

Trabalho com fotografia para sustentar a família

Foi trabalhar de contínuo no “Jornal do Brasil” e, pelas mãos do jornalista esportivo Oldemário Touguinhó, conseguiu um trabalho na fotografia como laboratorista. De lá foi trabalhar em uma agência de publicidade.

Há alguns anos, vida arrumada, Tantinho resolveu voltar para os braços do samba. Para sua surpresa reencontrou um outro ambiente:
— Monarco e Noca da Portela tiveram que vender muito peixe na feira. Cartola lavou carros. Hoje o sambista tem uma vida um pouco mais digna. Eu sustento minha família com o que eu ganho cantando na noite.

E nesta noite ele vai contar essas e outras histórias, além de cantar clássicos da sua verde-e-rosa, como “Semente do samba” e “A mais querida”, e falar dos amigos que fez pela sua longa jornada no samba.


João Pimentel
(Publicado originalmente no Jornal O Globo em 13 de julho de 2005)
REDES SOCIAIS

                                                  
LINKS PARCEIROS


© 2012 - Todos os direitos reservados ao proprietário do site |-|-|-| Sobre