MENU
A ESCOLA      CARNAVAL 2016      NOTÍCIAS      HISTÓRIA      ARTIGOS      VIDEOS      FOTOS      CONTATO
       

Jamelão e Xangô são inesquecíveis

A Presidência de Honra da Estação Primeira de Mangueira é enorme honraria e grande responsabilidade. Mas, a maior de todas as honras para mim, é substituir o inesquecível Jamelão, queridíssimo amigo. Uma amizade de mais de 50 anos que, em momento algum, sofreu o menor arranhão.

Sempre nos respeitamos, nos ajudamos, nos entendemos, trabalhamos juntos, cada um em suas funções, pelo bem da nossa Mangueira.

Estes foram anos de perdas imansas para a Mangueira. Jamelão, Xangô e Melão. Não é fácil. Mas a Mangueira é muito forte.

Não posso deixar de lembrar outros que já se foram, e foram, na verdade, os grandes responsáveis por eu estar hoje neste cargo honroso: Neuma, Tinguinha, Darke, e os que ainda estão aqui, como Chininha e Raymundo de Castro. A lista seria muito maior, mas, não fossem eles e esta maravilhosa comunidade que compõe a Nação Mangueirense, nada teria acontecido.

Os nomes de Jamelão e Mangueira são indissociáveis, se confunfem e se misturam. Um dos melhores cantores do Brasil, Jamelão é reconhecido unanimemente como o melhor intérprete de samba-enredo do todos os tempos.

E, por favor, não digam jamais que ele foi um puxador de samba-enredo. Jamelão ficava enfurecido.

José Bispo Clementino dos Santos, o Jamelão, começou sua vida artística em dancings, como a maioria dos cantores de sua época. Foi um dos melhores intérpretes de Lupicínio Rodrigues.

Jamelão sempre trabalhou muito, em shows, em cansativas viagens pelo Brasil. Por isso, muitas vezes, ia a festas da Mangueira e de outras escolas muito cansado. Depois de algumas - muitas - bebibas e muitoscopos de cerveja, cochilava. E o samba continuava. De repente acordava e entrava imediatamente no samba, no tom perfeito que o caracterizava. O mais impressionante em Jamelão, além da perfeita afinação melódica, é que não se perdia uma simples sílaba do que cantava.

Aliás, Jamelão tinha muita facilidade para dormir. Xangô contava que tomava os maiores sustos com ele. Os dois voltavam de festas e farras sempre de bonde no estribo.
- Eu ficava com o maior medo - contava Xangô - de que, numa curva, ele desse com a cabeça num poste; mas, justo nessa hora ele dava uma gingada, acordava e jamais aconteceu coisa alguma.

Atrás da cara amarrada, do aparente contante mau humor, escondia-se uma pessoa alegre, gozador, de fino e inteligente humor, sempre pronto a brincar, a gozar alguém.

Nos tempos românticos das escolas de samba, quando havia festas, tardes e noitadas de samba em todas elas, a presença de Jamelão era constante, sempre uma estrela bem vinda e querida.

Nos dia do desfile - que era apenas no domingo - Jamelão, desde a manhã, saía correndo pelas chamadas co-irmãs, cantando e bebendo, unindo todo mundo, fazendo esquecer as naturais rivalidades. Duas vezes fiz essa peregrinação com ele. E foi muito bom.

Com aquela cara amarrada, sisudo, jeito de poucos amigos, o cantor era um sujeito bom, amigo, fiel, bom companheiro, excelente caráter, sincero.

Músico compententíssimo, ele modificou ligeiramente - sempre para melhor - muitos sambas-enredo da Estação Primeira, sem chamar atenção, sem humilhar ninguém. Ele me ajudou muito a saber ouvir um samba-enredo, analisá-lo, a julgar se ra bom ou não para o desfile, em que tom deveria ser cantado, qual o andamento da bateria. Sabia tudo de música, principalmente de sambas-enredo.

Que saudade...

Outro que nos deixou foi o Melão. Sabia tudo de carnaval. Na Mangueira fez de tudo, sem jamais cobrar nada. Ao contrário, muitas vezes mexeu no próprio bolso para ajudar. Foi carnavalesco, aderecista, coreógrafo da Comissão de Frente - quando era apresentada pela Ala dos Duques. E, que eu saiba, jamais perdeu um ponto sequer. Foi também coreógrafo e ensaiador da Ala das Baianas, sempre com grande sucesso. Grande figura, baluarte merecido e insubstituível.

Baluarte desde que o grupo honorífico foi fundado, na presidência do Elmo, Olivério Ferreira, o Xangô da Mangueira, também nos deixou. A cara quase sempre fechada, séria, escondia uma personalidade brincalhona, um homem fino, uma liderança muito forte. Foi com ele que aprendi quase tudo o que sei de samba e tudo o que sei de desfile.

Xangô armava a Estação Primeira com incrível facilidade e competência. Dizia-se que Xangô, quando era diretor de harmonia, armava a Estação Primeira com três apitos. E era verdade. Extremamente sério e responsável, não cedia um milímetro quando se tratava do interesse da escola.

Com ouvido musical perfeito, sabia com clareza quando ia mal, quando havia pergio de atravessar, quando uma ala estava fora do ritmo, quando havia necessidade de atrasar ou adiantar um desfile. Xangô na harmonia era garantia de sucesso.

Uma vez, durante um ensaio no Cerâmica, conversávamos no meio da quadra. Num momento a bateria desafinou. Saiu de tom, um horror. Xangô disse apenas, vou dar um jeito nisso. E saiu tranquilo, gingando, em direção à bateria. Parou em frente a ela e apurou o ouvido. De repente, deu um salto para a frente, apontou para um tamborim bem lá no fundo, fez um gesto característico e disse enérgico: "Pára". O tamborim calou-se e a bateria voltou imediatamente ao ritmo certo.. Ele descobria um tamborim fora de tom entre dezenas de instrumentos.

Um dos melhores partideiros (cantadores e dançarinos de Partido Alto) de todas as escolas, reconhecido e respeitado em todos os lugares, quando Xangô entrava na roda era garantia de que o samba ia até o amanhecer.

Seu porte altivo de Rei Zulu fazia com que Xangô se destacasse durante os desfiles. Deslizava pela passarela e escorria por entre as alas, as baianas inclusive, com seu bastão de comando em riste e com altivez nata. Dizia tudo sem espalhafato, ao contrário do que é tão comum se ver hoje. Sem gritos. Com gestos suaves, mas firmes e precisos, com energia e sensibilidade, com absoluta eficiência.

Até o fim, quando já desfilava no carro dos baluartes, jamais deixava de dar uma volta pela armação da escola, para conferir se tudo estava bemm. Era um líder.

Xangô era vaidoso, vestia-se com apuro e bom gosto. Preferia o branco ou cores discretas. Era naturalmente elegante, mas na hora do desfile despia-se da vaidade e calçava as sandálias da humildade. Sempre a Estação Primeira cuidava para que sua fantasia estivesse de acordo com a importância do cargo e dele próprio. Eram luxuosas, vistosas, mas muitas vezes vi Xangô tirar o casaco, deixar de lado o chapéu para que pudesse evoluir com liberdade e rapidez entre as alas. Mangueira em primeiro lugar.

Xangô era naturalmente muito engraçado. Fazia piadas e inventava palavras, termos novos, sempre com muito humor, para designar situações. Parangolé, usado por Hélio Oiticica para designar algumas de suas obras, foi inventado por Xangô. Queria dizer engodo, malandragem, conversa fiada.

Enfim, a vida de Xangô não pode ser contada em um artigo. Foi grande demais, importante demais, até o fim, quando se tornara artista respeitado e homenageado, principalmente por seus colegas.

Foi uma perda ernorme, imensa. Adeus amigo; até breve.


Roberto Paulino
(Publicado originalmente na revista de carnaval de 2009 da Estação Primeira de Mangueira.)
Foi jornalista e Presidente de Honra da Estação Primeira de Mangueira. Também foi presidente administrativo da escola entre 1959 e 1962 e bicampeão nos desfiles de 1960 e 1961.
REDES SOCIAIS

                                                  
LINKS PARCEIROS


© 2012 - Todos os direitos reservados ao proprietário do site |-|-|-| Sobre