MENU
A ESCOLA      CARNAVAL 2016      NOTÍCIAS      HISTÓRIA      ARTIGOS      VIDEOS      FOTOS      CONTATO
       

O mais Jamelão de todos os sambas

Luis Carlos Magalhães exalta centenário do eterno cantor e escolhe sua interpretação favorita

Agora no centenário de Jamelão me vêm à lembrança os momentos em que eu ficava junto ao primeiro recuo ouvindo a bateria da Mangueira nos momentos que antecediam os desfiles, nos momentos em que Jamelão “puxava” o samba.

Sim, “puxava” o samba porque era isso que ele fazia. Puxava o samba, puxava a escola, puxava a mim e puxava os carnavais, por mais que este termo o contrariasse.

E fico pensando aqui em qual teria sido “o mais Jamelão de todos os sambas da Mangueira”. Estando ou não presente no momento em que foram cantados, não consigo afastar da memória o samba da “Sinhá Olímpia”, o samba do “Dom Obá’’ e o “Cem Anos de Liberdade ou ilusão.”

Mas como não lembrar também de “Trinca de Reis” e outros sambas transformados na pista.

Sim, pérolas ou não de antologia, Jamelão para mim tem como marca o fato de ter transformado muitos sambas “maisomenos” da escola em grandes sambas; ter transformado bons samba da escola em sambas inesquecíveis. E de ter extraído dos grandes sambas da escola toda a força possível.

E mais, Jamelão fez tanto pelos sambas-enredo, e pelos desfiles, que transformou até alguns outros sambas em grandes sambas da Mangueira.

Tendo feito e representado tudo que fez e representou para sua escola, Jamelão fez ainda tudo que lhe cabia fazer por tudo que significava para o pedaço que lhe coube na cultura brasileira.

Gravou vários discos com sambas de todas as escolas. Imortalizou sambas já imortalizados e sambas nem tanto assim, mas que ganharam a história com o vigor de suas interpretações. Ele, não puxador; aí sim: o Jamelão dos cabarés, das gafieiras, dos discos, este o Jamelão intérprete, não aquele, o “puxador”, capaz de “puxar” sua escola e dar a ela a energia que fazia dela incomparável em tantos carnavais de nossas vidas.

Não, não vou esquecer “Sinhá Olímpia”, “Mangueira em Tempo de Folclore”, “Jorge de Lima”, “Carroceiros do Imperador”. Não esquecerei “Casa Grande e Senzala”, “Monteiro lobato”, “Modernos Bandeirantes”, “Samba Festa de Um Povo”, “Caymmi”, “Braguinha”.

Mas para mim, o mais Jamelão de todos foi “CEM ANOS DE LIBERDADE”, não tenho, nunca tive dúvidas disso.

Foi um carnaval perfeito para aquele samba, um samba perfeito para aquele carnaval. O carnaval do século para mim, ainda que não o tivesse assistido. Centenário que marcava as dores, derrotas e conquistas do povo que inventou o carnaval dos desfiles.

O samba mais politizado, o mais contundente de toda a história. E que nem sequer venceu o carnaval. Até nisso foi perfeito, pois não podia mesmo ganhar, nenhuma escola conseguiria vencer a Vila de Kizomba, a Kizomba de todos nós, a Kizomba também de Jamelão.

No calor de seu centenário, nada mais Jamelão que lembrar o samba com que fez trovejar perguntas não respondidas, perguntas que nenhum brasileiro conseguirá jamais responder.

Por isto, eis minha escolha: o mais Jamelão de todos os sambas. Só ele poderia tê-lo cantado tão forte, feito ecoar perguntas... denúncias sobre as quais, repito, o povo brasileiro jamais ouvirá as respostas.


Luis Carlos Magalhães
(Publicado originalmente no site O DIA)
Luis Carlos Magalhães é colunista do site Carnavalesco.
REDES SOCIAIS

                                                  
LINKS PARCEIROS


© 2012 - Todos os direitos reservados ao proprietário do site |-|-|-| Sobre