MENU
A ESCOLA      CARNAVAL 2016      NOTÍCIAS      HISTÓRIA      ARTIGOS      VIDEOS      FOTOS      CONTATO
       

Uma escola onde o amor ao bom samba persiste

Desde Cartola e Carlos Cachaça, a Estação Primeira conta com os mais iluminados cultores do ritmo...para o primeiro compositor as cores da escola seriam verde, vermelha e branco.

O melhor samba carioca pode ter nascido no Estácio, mas foi na Mangueira, ao longo das sete décadas que se completam agora, que este mesmo samba teve os seus mais iluminados cultores. Se é de se lamentar que três dos quatro compositores do desfile deste ano sejam forasteiros - e que muito por isso o que a escola cantou não esteja à altura da tradição do lugar - vale um milhão de vivas saber que foi homenageando, não um compositor de lá, mas um grande artista de toda a cidade, que a Estação Primeira fez as pazes com a vitória após um silêncio de 11 anos.

Entre os bambas, Antonico, Padeirinho e Nélson Sargento.

A Mangueira é mesmo, como costumava dizer Saturnino, pai de Dona Neuma e um dos fundadores da escola, um "reduto de bambas". O simples fato de ter entre os que assinaram a ata de fundação um compositor da estatura de Cartola já seria o bastante para que se antevisse que o samba, o bom samba, seria sempre a sua razão de ser. Cartola, Carlos Cachaça, Zé Com Fome, Zé Criança, Turituré, Antonico, Balança, Aloísio Violão, Heitor dos Prazeres, Gradim (que não era bem da Mangueira, mas um cigano que fazia ponto no Buraco Quente) e mais adiante Nélson Cavaquinho, Cícero, Padeirinho, Fernando Pimenta, Nélson Sargento e outros, todos cultores de um samba que, nascido no Estácio, tingiu-se de verde e rosa.

A história dessas cores é mais ou menos conhecida. Foi Cartola quem, torcedor do Fluminense, propôs para a escola o verde, vermelho e branco de seu clube. Ficaram as duas primeiras cores, só que, na hora de comprar pano para as primeiras fantasias, o vermelho saiu desbotado. Segundo alguns, porque o rosa era mais barato. Terá sido mesmo assim?

Há na Mangueira uma infinidade de histórias como esta, difíceis de comprovar num tempo em que, daquele distante 1928, só resta Carlos Cachaça, que nunca teve uma memória como a de Fernando Pimenta. Mas, pode-se constatar, pela história que nos ficou, que o bom samba sempre foi uma espécie de religião para a Mangueira. Mesmo quando, na briga para a escolha do que vai representar a escola, volta e meia leve a melhor um quase boi-com-abóbora como o deste ano. Pois é simplesmente por amor ao bom samba que a Mangueira resiste como a escola do povo (ainda há modernosos que a censuram por usar o surdo tradicional e nenhuma firula que comprometa a pureza de sua bateria).

Mas o reencontro da Estação Primeira com a vitória aconteceu de modo simbolicamente admirável. Outros compositores já foram homenageados por ela em desfiles anteriores: João de Barro, Caymmi, Caetano, Gil, Tom Jobim. Todos do asfalto. Mas nenhum, cá de baixo, teve ou tem pelo melhor samba carioca o apreço de Chico Buarque. Quando Chico diz que uma de suas principais influências foi Ismael Silva, bamba do Estácio, não faz mais do que estabelecer uma ligação com aquele samba. O sotaque pode ser outro. As sutilezas rítmicas e harmônicas podem guardar pouca semelhança com as do morro (aliás, como o melhor de Cartola, tão mais Rio que Mangueira). Mas vale mesmo um milhão de vivas saber que a escola dos sambistas iluminados venceu homenageando um deles.


João Máximo
(crítico musical)
REDES SOCIAIS

                                                  
LINKS PARCEIROS


© 2012 - Todos os direitos reservados ao proprietário do site |-|-|-| Sobre