MENU
A ESCOLA      CARNAVAL 2016      NOTÍCIAS      HISTÓRIA      ARTIGOS      VIDEOS      FOTOS      CONTATO
história da escola      personagens históricos      presidentes      desfiles      enredos e classificações      sambas      premiações
       


Aluísio Dias
1911 - 12/06/1991

Compositor. Violonista autodidata. Cantor. Servente de obras na Prefeitura do Rio de Janeiro.

Em 1924, aos 12 anos, foi morar no Morro da Mangueira, mas só em 1930 conheceu Cartola, logo se tornando seu parceiro e amigo.

Fundador da Ala dos Compositores da Mangueira e da Galeria da Velha Guarda, foi também presidente da Escola.

Casado com Tia Zélia, também compositora e uma das pastoras da Escola, foi chamado de"Professor" por ter ensinado violão a vários compositores, entre eles Nelson Sargento e Geraldo Pereira.

Nas décadas de 1930 e 40, compôs inúmeros sambas de terreiro que foram cantados na Escola de Samba Mangueira.

Em 1932, formou com seu irmão Silvio e outros amigos, o conjunto "Com que Roupa", no qual Cartola, mesmo não sendo membro efetivo, dava sempre uma "canja", tocando cavaquinho.

No ano de 1938, mudou-se com a família para o bairro de Inhaúma e, no ano seguinte, foi morar no Méier, subúrbio carioca.

Em 1974, Cartola gravou pelo selo Marcus Pereira "Ordena e farei", parceria de ambos. Com o falecimento do parceiro, compôs com Fernando Pimenta um samba em sua homenagem, "Um violão silenciou", ainda inédito.

No ano de 1984 interpretou "Não" (c/ Cartola) no CD "Cartola entre amigos" lançado pelo selo Funarte.

Por volta de 1986 teve a idéia de fundar a Velha Guarda da Mangueira. Dois anos depois, o grupo já se apresentava em shows na quadra da escola.

No ano de 1989, Katsonuri Tanaka produziu para o mercado japonês o disco "Mangueira chegou" (selo Office Sambinha). Neste CD, além de tocar violão em várias faixas, ainda interpretou "Meu amigo, violão" de sua autoria, "Exaltação à Mangueira", parceria com Enéias Brites, a inédita "Pedi perdão" (Cartola) e em dueto com a pastora Creusa, filha de Cartola, interpretou a faixa "O amor é isso?", parceria com Cartola.

Faleceu em 12 de junho de 1991, vítima de infarto.

Em 1998, a cantora Dorina gravou no disco "Casa da Mãe-Joana" a música "Eu e meu violão", de sua autoria.

Parceiro de Cartola em "Meu primeiro amor", "Ingratidão", "Justa razão", "Eu e a lua", "Dois bicudos" e "Amor proibido" e ainda em "Acabaram de ouvir" (c/ Cartola, Carlos Cachaça e Manuel da Leiteria), ainda inéditas e em "Se o amor é isso". Esta última foi gravada no ano 2000 no CD duplo "Mangueira - sambas de terreiro e outros sambas", produzido pelo Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro em homenagem aos compositores da Escola de Samba Mangueira. Neste mesmo ano de 2000, a gravadora Nikita Music lançou para o mercado brasileiro o disco "Mangueira chegou".


DISCOGRAFIA

(1984) Cartola entre amigos • Selo Funarte • LP
(1989) Mangueira chegou • Office Sambinha. (Japão) • CD
(2000) Mangueira chegou • Nikita Music • CD

FONTE: Dicionário Cravo Albim da música popular brasileira
http://www.dicionariompb.com.br/aluisio-dias
REDES SOCIAIS

                                                  
LINKS PARCEIROS


© 2012 - Todos os direitos reservados ao proprietário do site |-|-|-| Sobre