MENU
A ESCOLA      CARNAVAL 2016      NOTÍCIAS      HISTÓRIA      ARTIGOS      VIDEOS      FOTOS      CONTATO
história da escola      personagens históricos      presidentes      desfiles      enredos e classificações      sambas      premiações
       


Tantinho
(Devani Ferreira)
1946

Cantor. Compositor. Partideiro.

Nascido e criado na Morro de Mangueira, na favela de Santo Antônio, frequentador assíduo das rodas de partido-alto no Buraco Quente, Chalé e Três Tombos, favelas que também integram o morro, onde conviveu desde pequeno com personagens emblemáticas da localidade, Cartola, Nelson Cavaquinho, Dona Neuma, Padeirinho, Nelson Sargento, Pelado, Carlos Cachaça, Geraldo das Neves e Jorge Zagaia, entre outros.

Aos 13 anos de idade Dona Neuma o apresentou a Cartola. Neste mesmo ano de 1961 compôs o samba-enredo para o desfile da Mangueira em Brasília.

Trabalhou como office-boy, laboratorista e em agência de publicidade. Aposentou-se como funcionário da Funarte em 1996.

Na década de 1970 participou das rodas de samba no Teatro Opinião. Por essa época integrou o grupo Originais do Samba.

Atuou como músico tocando tamborim em várias gravações de Zé Kétti e Jamelão. Em 1999, como integrante da Velha-Guarda da Mangueira, participou do CD "Velha-Guarda da Mangueira e convidados", lançado pela gravadora Nikita Music. No disco também participaram Dona Neuma, Nelson Sargento em dueto com Fernanda Abreu, Lenine e Nelson Sargento, José Ramos, Mário Lago, Darcy da Mangueira, Darcy Maravilha, Beth Carvalho, Noca da Portela, Dona Ivone Lara e Délcio Carvalho.

Em 2000 participou do disco "Mangueira, sambas de terreiro e outros sambas", patrocinado pelo Arquivo-Geral da Cidade do Rio de Janeiro, no qual interpretou as faixas "Você quer saber" (Jabá); "Terreiro em Itacuruçá" (Padeirinho); "Boêmio fracassado" (Hélio Cabral); "Verde e rosa" (Mauro Pereira) e ainda fazendo parte do coro, juntamente Zélia, Zenith, Sônia, Hermínio Bello de Carvalho, Jurandir da Mangueira, Paulão Sete Cordas e Zé Maurício, gravou as faixas "Chega de demanda" (Cartola), "Sai da minha frente" (Jorge Zagaia), "Alegria" (Cartola e Gradim) e "Vela acesa", de autoria de Fandinho. Em maio do mesmo ano com Comprido, Xangô da Mangueira, Zé Ramos e Jurandir da Mangueira participou do lançamento do CD no Espaço Cultural Sérgio Porto, no Rio de Janeiro.

Em 2001, com Valdir Silva, organizou uma roda de samba no Espaço Verdôme Cultural, no bairro do Castelo, no Centro do Rio de Janeiro. Na ocasião era acompanhado pelo Grupo Elite. No ano seguinte, com Luciane Menezes, participou do "Projeto Ritmo Carioca" no bar Ritmo no Leblon.

Em 2003 foi o convidado de Ernesto Pires em show no Bar Sacrilégio, na Lapa, no Rio de Janeiro. Com Marquinhos China apresentou-se no Bar Dama da Noite, e ainda apresentou-se no Projeto "O Partido Fala Mais Alto", na Casa da Mãe Joana, com Renatinho Partideiro. Neste mesmo ano participou ao lado de va´rios outros artista do disco "Um ser de luz - saudação à Clara Nunes".

No ano de 2004 participou do projeto "Puxando Conversa", no qual foi gravado um video sobre a sua vida e carreira, e ao final, como anfitrião de uma roda de samba, recebeu diversos convidados, entre eles, Trio Calafrio, Delcio Carvalho, Bráulio de Castro, Waldir 59, Jair do Cavaquinho, Bebeto di São João, Toninho Geraes e Xangô da Mangueira. Neste mesmo ano, ao lado de Richa, comandou uma roda de samba no Espaço Cultural Carioca da Gema. Nest mesmo ano participou como convidado de Nei Lopes no CD "Partido ao cubo", no qual interpretou as faixas "Deixa ela chorar" e "Samba como era", ambas de autoria de Nei Lopes.

No ano de 2005, com Luiz Carlos da Vila e Nelson Sargento, foi um dos convidados do Pagode da Tia Doca, apresentando-se no projeto "No Tom do Samba", no Bar do Tom, no Rio de Janeiro. Neste mesmo ano, com Marquinhos China, Silvino da Silva, Marli Teixeira e Xangô da Mangueira, apresentou o show "Partideiros e calangueiros", dentro do projeto "Na ponta do verso", do Centro Cultural Banco do Brasil. Neste mesmo ano participou do disco "Xangô da Mangueira - recordações de um velho batuqueiro", de Xangô da Mangueira.

Em 2006 lançou o CD duplo "Tantinho, memória em verde e rosa", no qual interpretou 32 sambas de compositores da Mangueira. Entre as músicas incluídas no trabalho destacaram-se "Boa noite" (Aloisio Costa e Bide), "Voz do morro" (Geraldo Pereira e Moreira da Silva), "Eu vou subir tia" (Manoel Ramos), "Fofoca no morro" (Ferreira dos Santos e Padeirinho), "Episódio" (Tantinho da Mangueira), "Pobre milionária" (Nelson Sargento) interpretada em dueto com Nelson Sargento, "Sofrer como eu já sofri" (Pelado e Tantinho da Mangueira), "Meu amor foi-se embora" (Chico Modesto e Germano Augusto), "Estou vivendo na floresta" (Babaú da Mangueira e Chico Modesto), "Azul anil" (autor desconhecido), "Vem rompendo o dia" (Xangô da Mangueira) intérpretada em dueto com Xangô da Mangueira, "Meu segredo" (Cícero dos Santos, Hélio Turco e Tantinho da Mangueira), "Meu amor já foi embora" (Cartola e Zé da Zilda), "Brasil, terra adorada" (Arthur Faria, Carlos Cachaça e Cartola), "Dá licença que eu quero passar" (Tantinho da Mangueira) composições de sua autoria composta nos anos 60 para o Bloco Carnavalesco Olha Essa Língua, um dos muitos existentes naquela época no Morro da Mangueira, "O bobo do rei" (Broto), "Continente negreiro" (Marreta e Nelson Sargento), "Neuma" (Tantinho da Mangueira), "Recordar é viver" (Padeirinho), "Pranto de poeta" (Hélio Cabral), "Mulher comprometida" (Preto Rico) intepretada em dueto com Preto Rico, "Eu vivo em paz" (Leléo e Jorge Zagaia), "Diamante bruto" (Brogogério), "Sorrindo sempre" (Francisco Alves, Gradim, Ismael Silva e Noel Rosa), "Pesca do dourado" (autor desconhecido), "Lá se foi Maria" (Alfredo Português), "Maria" (Jurandir da Mangueira) interpretada em dueto com Jurandir da Mangueira, "Não posso demorar" (Geraldo das Neves), "Vivo no mundo" (Fandinho), "Decaída" (Hélio Turco e Pelado), "Nossa história" (Geraldo da Pedra e José Ramos), "Faltavam cinco para as cinco horas" (Manoel Ramos) e "Gonçalves Dias" (Cícero e Pelado). No disco, com produção musical de Paulão Sete Cordas, contou com o acompanhamento dos violonistas Rogério Caetano e Carlinhos Sete Cordas.

Em 2010 foi o vencedor do "Prêmio da Música Brasileira" nas categorias "Samba" com o disco "Tantinho canta Padeirinho da Mangueira" e "Cantor", com o mesmo CD.

Em 2011 fez uma participação especial no disco duplo "O samba carioca de Wilson Baptista", lançado pela Biscoito Fino, no qual interpretou o samba "Rei Chicão" (Wilson Baptista), umas das faixas inéditas encontrada pelo pesquisador Rodrigo Alzuguir em uma fita caseira. Nesse mesmo ano participou da 22ª edição do "Prêmio da Música Brasileira" realizada no Teatro Municipal, no Rio de Janeiro, em homenagem ao cantor e compositor Noel Rosa, na qual interpretou "Conversa de Botequim" e "Com que roupa?", ao lado de Wilson das Neves.


DISCOGRAFIA

(1999) Velha-Guarda da Mangueira e convidados • Nikita Music • CD
(2000) Mangueira, sambas de terreiro e outros sambas • Arquivo-Geral da Cidade do Rio de Janeiro • CD
(2003) Um ser de luz - saudação à Clara Nunes • Deck Disc • CD
(2004) Partido ao cubo • Gravadora Fina Flor • CD
(2005) Xangô da Mangueira - recordações de um velho batuqueiro • CD
(2006) Tantinho, memória em verde e rosa • Selo Natura Musical • CD
(2009) Tantinho canta Padeirinho da Mangueira - Independente CD
(2011) O samba carioca de Wilson Baptista (participação) • Biscoito Fino • CD

FONTE: Dicionário Cravo Albim da música popular brasileira
http://www.dicionariompb.com.br/tantinho-da-mangueira
REDES SOCIAIS

                                                  
LINKS PARCEIROS


© 2012 - Todos os direitos reservados ao proprietário do site |-|-|-| Sobre