MENU
A ESCOLA      CARNAVAL 2016      NOTÍCIAS      HISTÓRIA      ARTIGOS      VIDEOS      FOTOS      CONTATO
história da escola      personagens históricos      presidentes      desfiles      enredos e classificações      sambas      premiações
       


Xangô da Mangueira
(Olivério Ferreira)
19/01/1923 - 07/01/2009

Compositor. Cantor. Jongueiro. Calangueiro. Improvisador e versador. Mestre do partido-alto. Nasceu no bairro do Estácio, segundo alguns pesquisadores e no bairro do Rio Comprido, segundo outros.

Em 1935, desfilava na Escola de Samba Unidos de Rocha Miranda. Por essa época, começou a compor. Por esta mesma data, entrou para o Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela, tornando-se conhecido como improvisador. Transferiu-se, juntamente com Paulo da Portela, para a ala de compositores da Escola Lira do Amor.

Aos 16 anos ingressou no Grêmio Recreativo e Estação Primeira de Mangueira, após ter passado em um teste de improvisador. Inicialmente, foi diretor de harmonia, sendo auxiliar de Cartola.

Até 1951, foi o puxador de samba da escola, quando passou o cargo para Jamelão. No ano seguinte, ingressou na Ala de Compositores da escola. Foi estivador do cais do Porto do Rio de Janeiro.

Aposentou-se como guarda de segurança.

Faleceu nos primeiros dias do mês de janeiro. Em sua homenagem a Prefeitura da cidade deu nome a uma rua em frente à quadra da escola, Mangueira, a qual foi integrante da bateria por mais de 50 anos.

Em 2010 foi tema do projeto "República do Samba", que celebrava 10 anos de existência, em um tributo realizado no Centro Cultural Laurinda Santos Lobo, em Santa Teresa (RJ), com a participação de Tantinho da Mangueira, Dona Sônia Ferreira (víúva), Tânia Malheiros, Márcia Moura, Baiaco, Juninho Thybau, grupo Opção-Samba, Velha-Guarda do Arranco de Engenho de Dentro, músicos da Estácio, baianas da Associação das Escolas do Rio de Janeiro, Partideiros de Turiaçu, Gegê da Mocidade, Margarete Mendes, Paulinho Cerqueira, DiMenor, dentre outros. Nesse mesmo ano foi exibido da 15ª edição da “Mostra Internacional do Filme Etnográfico” o média-metragem “Quando Xangô apita”, de Emílio Domingos e Gustavo Rajão, que contou com uma entrevista concedida aos diretores no ano de 2001.


DISCOGRAFIA

(1972) Rei do partido - alto • Copacabana Discos • LP
(1975) O velho batuqueiro • Tapecar • LP
(1976) Chão da Mangueira • Tapecar • LP
(1978) Xangô da Mangueira Volume 3 • Tapecar • LP
(1999) Velha - Guarda da Mangueira e convidados • Nikita Music • CD
(2000) Mangueira - Sambas de terreiro e outros sambas • Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro • CD
(2003) Maxixe não é samba • Selo ICCA • CD
(2004) Sabe lá o que é isso? • (participação) • CD
(2005) Samba em pessoa • Associação Brasil Mestiço • CD
(2005) Xangô da Mangueira - recordações de um velho batuqueiro • CD
(2006) Sambas de Xangô • Associação Brasil Mestiço • CD
(2012) Xangô da Mangueira vol. 3 (reedição) • Discobertas • CD
(2012) Chão da Mangueira (reedição) • Discobertas • CD
(2012) Velho batuqueiro (reedição) • Discobertas • CD
(2012) O rei do partido alto (reedição) • Discobertas • CD

FONTE: Dicionário Cravo Albim da música popular brasileira
http://www.dicionariompb.com.br/xango-da-mangueira
REDES SOCIAIS

                                                  
LINKS PARCEIROS


© 2012 - Todos os direitos reservados ao proprietário do site |-|-|-| Sobre